O REFLORESTAMENTO NA CAATINGA NORDESTINA

A Caatinga abrange cerca de 800.000 km², aproximadamente 10% do território nacional, constituído praticamente pelos os estados do Piauí, Maranhão, Rio Grande do Norte, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Sergipe, Alagoas, Bahia e parte do norte de Minas Gerais.

A vegetação da Caatinga é bastante diversa, com regiões diferentes, isso acontecem devido à pluviometria, fertilidade e o tipo de solos e relevo. Existe uma divisão da caatinga entre o agreste e o sertão. O agreste é uma faixa de transição entre a Mata Atlântica e o interior seco, e o sertão possui vegetação mais rústica.

Muitas pessoas acreditam que a caatinga é um bioma pobre, pois o clima é árido e com pouca presença de vegetação. Porém, a caatinga é rica em espécies animais e vegetais, muitas delas endêmicas. Este bioma brasileiro possui importante biodiversidade e deve ser preservado e valorizado.

Na fauna da Caatinga foram identificadas 44 espécies de répteis, 695 de aves, 17 de anfíbios, e 120 de mamíferos, num total de 876 espécies de animais vertebrados. Apesar da baixa densidade de indivíduos e espécies endêmicas.

A catinga está presente na interior do Nordeste brasileiro, principalmente na região do semiárido. Assim como outros biomas brasileiros, a caatinga vem sofrendo com o desmatamento e outras ações predatórias (caça e ocupação humana desordenada). A criação de gado extensivo, por exemplo, é um dos principais problemas da atualidade. Se não houver preservação da caatinga, poderemos ter a extinção de diversas espécies animais e vegetais típicos deste bioma. Outro problema ambiental, que já está ocorrendo em função do desmatamento, é o aumento da desertificação na caatinga. Existem diversos tipos de plantas de origem da caatinga nordestina. Queremos destacar algumas mais importantes onde faremos um reflorestamento das seguintes árvores nativas da região bem como:

AS PRINCIPAÍS PLANTAS DA CAATINGA:

Aroeira, Angico, Juazeiro, Caroá, Xique-xique, Mandacaru, Palma, Catingueira, Jurema, Carnaúba, Malva Branca, Jitirana, Aveloz, Morfumbos, Pinhões, Oiticica, Algarobas, Umburanas, Marmeleiros, Maracujá do mato.

PLANO DE RESTAURAÇÃO, PROTEÇÃO E CONSERVAÇÃO DA CAATINGA NORDESTINA

O projeto Oásis no Sertão vem demonstrar que através de tecnologias aplicáveis é possível fazer a restauração e processo de reversão da flora da caatinga nordestina através de um reflorestamento de diversos tipos de plantas nativas. Temos uma boa área de proteção ambiental voltada para a reserva renovável. Queremos fazer um impacto ambiental positivo, revertendo toda ação negativa transformando de forma positiva.

A natureza e muito complexa e tem o poder de regeneração bastante rápida de acordo com a modificação as mudanças provocadas pelo o homem ou pelo o ambiente. Vamos trabalhar em harmonia com o ecossistema, produzindo o agronegócio sustentável sem poluentes. Objetivamos harmonizar de maneira prática e objetiva o homem, animais e o meio ambiente.

ALGUNS TIPOS DE PLANTAS IMPORTANTES USADAS NO REFLORESTAMENTO

O CAJUEIRO

Como o nome sugere, essa é a árvore que produz o caju, fruta que tem a cara e o sabor do Nordeste. A planta tem médio porte e pode atingir 15 metros de altura. O seu tronco é retorcido e as folhas são ovais. A árvore é encontrada, especialmente, nas florestas tropicais litorâneas. Vale ressaltar que o maior cajueiro do mundo está localizado no município de Parnamirim, no Rio Grande do Norte. Seus frutos têm grandes utilidades. Possui dimensões importantes para abrigo é sobrevivência de muitas aves e animais. Seus frutos riquíssimos em vários nutrientes contribuem para o bem os animais.

UMBUZEIRO

O umbuzeiro é uma planta muito famosa no Nordeste e pode ser encontrada em grande quantidade no Ceará. Ele adapta-se bem em regiões mais secas, pois armazena água internamente, resistindo assim a longos períodos de estiagem. O fruto do umbuzeiro, o umbú, é muito valorizado na culinária da região. No entanto, ele só é comercializado de janeiro a abril, durante a época de chuva. Sua primeira safra tem um período de 8 a 10 anos. Riquíssimos em vitaminas e muitos ouros nutrientes são dignos de estudo cientifico pelas suas propriedades benéficas a saúde.

A CAJAZEIRA

Planta da família das Anacardiaceae, também conhecida como taperebazeiro, macucu, cajá, cajazeira, cajá-mirim, cajamanga, cajá-manga, taperebá, tamacoaré, tamaquaré-serrado, cajazeiro tapiribá, acaiamiri, acaíba, cajá-pequeno, cajá-miúdo.

A Cajazeira é uma árvore grande e muito frondosa, de caule reto, até 25 m de altura, casca quase sempre brancacenta ou acinzentada, espessa e muito fendida; suas folhas são impar ninadas, grandes, alternas e compostas de 5 a 9 pares de folíolos opostos, oblongo elípticos, agudos ou obtusos, grandes, suas flores são perfumadas, hermafroditas, dispostas em grandes panículas terminais; seu fruto é drupa de 44 mm de diâmetro, sua cor é amarelo alaranjada, e sua polpa é resinosa, ácida, muito perfumada, comestível e saudável.

É planta medicinal também, pois sua casca perfumada é emética e adstringente, constituindo um ótimo vomitório nos casos de febres biliosas e palustres; é também antidiarreica, antidisentérica, antiblenorrágica e hemorroidária, sendo que a sua raiz também é hemorroidária.

Do seu fruto fazem-se compotas, geleias e vários tipos de doce. Seu suco é febrífugo, servindo também para fazer sorvetes. Faz-se também com sua polpa um vinho para a cura das uretrites e das cistites. Os caroços são aproveitados para a menstruação das mulheres.
Parte utilizada: Folhas, flores, raízes, frutos.

Princípios Ativos: Vitaminas A e C, cálcio, ferro, fósforo, carboidratos, substância tanóide. Propriedades medicinais: Anti-inflamatório, anti-hemorroidal, antiblenorrágica, antidiarreica, antileucorréica, antimicrobiana, antiviral, diurética, estomáquica, febrífuga, tônico cardíaco.

Indicações: Conjuntivites, diarreia, disenteria, erisipela, hematoma, hemorroida, inflamação dos olhos, retenção de urina, tônico cardíaco, vômitos espasmódicos. Planta excelente para abrigo dos animais e refrigeração do ambiente. Adapta-se com facilidade as condições do clima da caatinga.

 

REFLORESTAMENTO ATRAVÉS DA MANGUEIRA

A manga é uma fruta cuja origem é a região sul da Ásia. Por ser uma fruta tipicamente tropical, foi introduzida pelos portugueses no período colonial, no Brasil com muito sucesso. A árvore que produz a manga é chamada de mangueira. A casca da manga é lisa, sendo que a cor varia entre os tons de vermelho, laranja e amarelo. Quando madura, a manga exala um cheiro adocicado.
Sua polpa é suculenta (boa quantidade de água), doce e saborosa, podendo ser fibrosa ou lisa dependendo da espécie. Possui apenas um caroço de tamanho grande. É uma fruta que apresenta baixa quantidade de calorias.
A manga é rica em minerais e vitaminas C, B5, A e antioxidantes. Possui também uma boa quantidade de ferro, magnésio e potássio. É consumida ao natural e também na produção de sucos, sorvetes e doces.
As variedades de manga mais comuns no Brasil são: Haden, Tommy, Kent, Keitt, Atkins e Palmer. Além disto, a fruta tem muitas propriedades benéficas para saúde, tais como: Ajuda a purificar o sangue, diurético, combate a bronquite, tem efeito expectorante e combate a acidez estomacal.
No Nordeste, a manga é cultivada em todos os estados, em particular nas áreas irrigadas da região semiárida, que apresentam excelentes condições para o desenvolvimento da cultura e obtenção de elevada produtividade e qualidade de frutos. Em 2007 o Brasil representava o 7º lugar no ranking de maiores produtores de manga do mundo, cuja Índia representava o 1º lugar.

CLASSIFICAÇÃO CIENTÍFICA

Reino: Plantae
Filo: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Sapindales
Família: Anacardiaceae
Gênero: Mangifera